De Povos Indígenas no Brasil

Notícias

Garimpeiros retiram balsas do rio Boia

19/01/2010

Autor: Roberto Almeida

Fonte: Estadão Online - http://migre.me/jJoo




Pelo menos 30 trabalhadores encapuzados, não identificados, realizavam o processo de extração de metal

JUTAÍ (AM) - As cinco grandes balsas encontradas no final de dezembro pela expedição da Frente Etnoambiental Vale do Javari, realizada pela Funai em parceria com o Centro de Trabalho Indigenistas, foram retiradas do leito do rio Boia, onde operavam, no sudoeste do Amazonas.


As balsas mecanizadas sugavam o cascalho do fundo do rio para lançá-lo em grandes esteiras, onde o ouro era retirado com o auxílio de mercúrio, o que configura crime ambiental. Pelo menos 30 trabalhadores encapuzados, não identificados, realizavam o processo de extração do metal precioso, como informou o Estado dia 26 de dezembro.


A expedição constatou a retirada das balsas no retorno de uma entrada de 30 dias na mata para verificar vestígios de índios isolados, nas cabeceiras do rio Boia. Nos dias 13, 14 e 15 de janeiro, o barco da equipe da Funai navegou pelo Boia, mas não encontrou o maquinário.


Segundo relatos de índios katukinas, as balsas desceram o rio em direção à cidade de Jutaí (AM) há pelo menos três semanas - período em que a Funai informou a Polícia Federal, o Ibama e a Marinha do garimpo. No entanto, nenhuma operação para apreender as balsas foi realizada.


No dia 15 de janeiro, um helicóptero da Marinha sobrevoava a área devastada. Enquanto isso, a Polícia Federal em Manaus projetava uma operação.


Mesmo sem a apreensão das balsas, o crime ambiental é visível. As margens do rio Boia estão devastadas em mais de 300 pontos catalogados pela equipe da Funai. Há ainda o surgimento de enormes bancos de areia, do tamanho de 30 campos de futebol, que são subproduto do garimpo.


O rio Boia, com cerca de 300 quilômetros de águas escuras, está próximo da Terra Indígena Vale do Javari. Sua nascente fica a menos de 40 quilômetros dos limites da área indígena. A contaminação por mercúrio, no entanto, pode chegar até a aldeia katukina Boca do Biá, no rio Jutaí, que recebe as águas do rio Boia.
 

As notícias publicadas no site Povos Indígenas no Brasil são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos .Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.