De Povos Indígenas no Brasil

News

Especial Dia da Amazônia - Em apenas oito meses, Funai realiza mais de 400 ações de proteção territorial na Amazônia Legal

05/09/2019

Fonte: Funai - http://www.funai.gov.br



Com cerca de 40 mil espécies de plantas, 300 de mamíferos, 1,3 mil de aves, e 4.196.943 km² de florestas densas e abertas, o maior bioma do mundo deve muito da sua atual existência aos povos indígenas. A Amazônia, que ocupa 49% do território nacional, tem 24,8% da área total composta por Terras Indígenas (TI). Nelas habitam povos cuja riqueza cultural, conhecimentos e práticas tradicionais referentes ao manejo etnoecológico das espécies e ecossistemas são fundamentais para a conservação do meio ambiente.

Os recentes focos de queimadas na região, em meados de agosto, levaram o debate sobre proteção ambiental ao cidadão comum. Esse é mais um momento em que a recuperação e valorização dos conhecimentos indígenas se mostram imprescindíveis para todo o país. Em parceria com os povos indígenas, a Funai tem contribuído para proteção, uso sustentável e recuperação do bioma amazônico. O órgão atua em diversas frentes, desde fiscalização e monitoramento de terras indígenas a projetos de reflorestamento e conservação de espécies.

De janeiro a agosto de 2019, a Funai realizou 567 ações de proteção territorial em todo país. Dessas, 211 foram ações de fiscalização, sendo 55 nas Terras Indígenas pertencentes à Amazônia Legal; 329 de prevenção, sendo 252 na Amazônia Legal; e 27 ações de informação.

"Essas ações mostram o comprometimento da Funai com a prevenção de ilícitos e invasões em Terras Indígenas. Temos buscado, desde o início do ano, ampliar parcerias junto aos órgãos de Segurança Pública e de Polícia Ambiental, visando o fortalecimento da proteção territorial e ambiental nas Terras Indígenas. Para isso, estão sendo realizadas várias reuniões junto ao Ibama, à Polícia Federal e às Secretarias Estaduais de Segurança Pública", destaca o presidente da Funai, Marcelo Xavier.

Entre as ações de proteção estão aquelas voltadas ao cuidado com áreas habitadas por povos indígenas isolados e de recente contato. As ações de proteção dos povos isolados e de recente contato e de seus territórios são protagonizadas pelas 19 Frentes de Proteção Etnoambiental. Em 2019, as principais atividades de fiscalização ocorreram nas Terras Indígenas Awá/MA, Araribóia/MA, Alto Tarauacá/Ac, Kawahiva do Rio Pardo/MT, Piripkura/RO, Uru-Eu-Wau-Wau/RO, Vale do Javari/AM e Yanomami/AM e RR.

Gestão e conservação ambiental

A Funai também tem apoiado iniciativas em terras indígenas com o objetivo de contribuir com os ecossistemas naturais. Entre algumas das atividades desenvolvidas estão o manejo de espécies de fauna para conservação, reflorestamento e recuperação de áreas degradadas e alteradas, implementação de bancos de sementes e de viveiros florestais, implementação de sistemas agroflorestais (SAFs) nas ações de restauração ecológica, controle de processos erosivos e atividades de educação ambiental voltadas a apoiar o gerenciamento de resíduos sólidos em aldeias.

O programa de etnoconservação de tartarugas e tracajás no Oiapoque (AP) é um exemplo de projeto para conservação de espécies desenvolvido pelos agentes ambientais indígenas com apoio do órgão. O objetivo é promover a segurança alimentar e a educação ambiental. Os agentes coletam ovos depositados nas praias dos rios e os colocam numa incubadora. Após período de maturação, os filhotes são soltos pelas crianças e adolescentes das aldeias nos ambientes propícios escolhidos pelos moradores. No dia da soltura, os técnicos e professores realizam palestras de sensibilização ambiental aos alunos, num evento que envolve tanto a comunidade quanto a escola.

Envolvidos na guerra contra o fogo prejudicial, os brigadistas indígenas são peças-chave nas práticas atuais de combate a incêndios. Um Acordo Técnico entre Funai e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) tornou possível a seleção, capacitação e contratação de brigadistas que, ao reunirem o conhecimento tradicional indígena com técnicas de Manejo Integrado do Fogo, protegem e monitoram as terras em que habitam e, em algumas situações, prestam apoio fora delas.

Das 39 brigadas ativas atualmente em todo país, a cargo do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama) e com apoio da Funai, 31 estão inseridas na Amazônia Legal. Em Humaitá-AM, uma equipe de 29 brigadistas, formada por Povos Tenharim, Parintintin, Jiahui e Pirahã, trabalha incessantemente pela proteção das Terras Indígenas Tenharim/Marmelos, Tenharim Gleba B, Igarapé Preto e Jiahui, perfazendo uma superfície de aproximadamente 1,335 mi hectares na Amazônia Brasileira.

A brigada, que nasceu do anseio da comunidade indígena após um incêndio em 2013, tem mostrado alto grau de envolvimento e comprometimento com sua missão e valores, destacando-se na área. Dezenas de incêndios foram combatidos ao longo dos últimos anos em campos florestas.

Além das ações diretas contra incêndios, a brigada Tenharim tem promovido atividades voltadas à educação ambiental e recuperação de áreas degradadas a partir de produção e plantio de mudas nativas. De fevereiro a maio de 2019, com apoio exclusivo da Funai, a equipe conseguiu replantar 410 mudas e manter as 14 mil plantadas no ano anterior.

Etnodesenvolvimento

De maneira sustentável e respeitosa ao território ao qual pertencem, povos indígenas da região amazônica têm desenvolvido atividades de etnodesenvolvimento que se destacam e inspiram o País. Valorização da cadeia produtiva de produtos não madeireiros, agricultura tradicional, projetos de etnoturismo e incentivo ao trabalho com sementes e artesanato são algumas das iniciativas desenvolvidas em parceria com a Funai.

Em Rondônia, o café produzido pela etnia Suruí e a castanha dos Cinta Larga têm chamado a atenção do mercado nacional e internacional. O sucesso é tanto que o café indígena ficou entre os três melhores do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia - Concafé - e ganhou como parceiro a empresa Três Corações, uma das melhores do Brasil. Em 2018, a produção estimada por aldeia foi de mais de mil toneladas. Para 2019, a estimativa é de que chegue a quase duas mil toneladas. E em 2020, mais de três mil.

Anderson Suruí, da aldeia Gamir, declara que a coleta da castanha tem grande valor agroindustrial se considerados os subprodutos, mas que ainda precisa de planejamento negocial. "A produção tem grande importância na vida do povo Paiter Suruí hoje e a Funai tem apoiado muito essa iniciativa de mercado buscando parceiros empresariais públicos e privados juntamente com indígenas e suas organizações. Temos a certeza de que o povo Paiter Suruí tem um produto de alto valor de contribuição para o mercado e economia no Brasil e até no exterior. Para tanto, é necessário planejamento, investimento e consolidação da venda da castanha como produto de alto valor por ser de uma área indígena", ressaltou a liderança indígena.

Assessoria de Comunicação / Funai, com colaboração da Coordenação-Geral de Gestão Ambiental

Informações
Coordenação-Geral de Monitoramento Territorial,
Coordenação-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato
Coordenação-Geral de Etnodesenvolvimento




http://www.funai.gov.br/index.php/comunicacao/noticias/5622-especial-dia-da-amazonia-em-apenas-oito-meses-funai-realiza-mais-de-400-acoes-de-protecao-territorial-na-amazonia-legal?start=1#
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source