De Pueblos Indígenas en Brasil

News

Pauta indígena é prioridade no Ministério da Cultura

20/04/2015

Fonte: Ministério da Cultura - MinC - www.cultura.gov.br



A questão indígena é uma pauta prioritária para o MinC, que tem definido uma série de ações em torno da questão com o intuito de estimular um debate, com a participação ativa do coletivo, e de criar políticas que atendam suas demandas. O Ministério quer que temas como meio ambiente, reconhecimento cultural, direito à produção cultural e de informação integrem a pauta.

Entre as ações de apoio, está o acordo de cooperação técnica, assinado entre a Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Minc e a Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações, para instalação de 170 antenas GESAC em comunidades indígenas, quilombolas e rurais. O Ministério também realizará, em parceria com o SESC/SP, o Encontro Brasil Indígena e o II Seminário Nacional de Culturas Indígenas, previsto para agosto deste ano, com a presença de lideranças de todo o país em rodas de conversas, representações culturais e encontro preparatório para a Conferência Nacional da Política Indigenista.

Em 2014, o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico), entidade vinculada ao MinC, incluiu no Inventário Nacional de Diversidade Linguística (INDL) as línguas Asurini do Trocará e Guarani Mbya como Referência Cultural Brasileira. Esta política de reconhecimento pretende ser ampliada ao maior número possível de idiomas para proteger a diversidade linguística. Além disso, o Iphan já reconheceu seis expressões e saberes indígenas, entre eles a Arte Kusiwa, pintura corporal desta comunidade do Amapá, e a cachoeira do Iauretê, lugar sagrado dos povos indígenas dos rios Uaupés e Papuri, no Amazonas.

Outro programa do MinC, o Cultura Viva, que atua desde 2004 nas comunidades indígenas, deverá publicar edital para a criação de novos pontos e pontões de cultura indígenas ainda em 2015. Em dez anos, cerca de 120 comunidades, nas cinco regiões do país, foram beneficiadas por esse programa.

Sobre a importância dos Pontos, Daiara Tukano, do Ponto de Cultura Rádio Yandê, opina que eles são fundamentais para as comunidade, pois "garantem a comunicação dos produtores culturais, que são os principais defensores de nossa memória e também têm um papel educador". Foi o programa que possibilitou o nascimento da rádio, dedicada exclusivamente à difusão da produção indígena, como a música, e criou um fluxo de expressão cultural que contribui para o reforço da identidade do seu povo. "Há uma grande valorização dos jovens e novas linguagens surgem misturando o tradicional com o novo, ou com outros estilos como o rap e o ska", diz ela. A rádio produz peças sobre arte tradicional e contemporânea e se transformou em referência para comunidades indígenas de outras partes do mundo.


Questões indígenas


Nem tudo são flores na questão indígena. O Dia do Índio, comemorado ontem, dia 19 de abril, remete a temas como meio ambiente, cultura, memória e reconhecimento histórico, mas, também, a questões como o desrespeito e a discriminação. O Brasil possui a maior sociodiversidade do planeta. Segundo o censo do IBGE de 2010, existem 305 etnias e 274 línguas indígenas faladas, além do português, mas a inclusão e a participação ativa dessas comunidades na sociedade brasileira e na escolha de seus destinos ainda é restrita.

Para Daiara Tukano, a data tem dois significados opostos. Por um lado "é a mostra da negação da nossa história, pois nos relega um único dia, nós, que somos o povo ancestral e realmente autóctone do país", mas por outro, diz ela, "nos dá a oportunidade de lembrar que existimos como cultura, que temos uma concepção do mundo muito diversa; nos permite falar da nossa relação com a natureza, da nossa espiritualidade, e principalmente de reforçar a ideia de que estamos em um processo histórico de violência e perda de identidade que precisa ser revertido".

Longe do clima de festa, o líder indígena Eliseu Guarani Kaiowá, da aldeia Kurusu Ambá, diz que a grande preocupação hoje é paralisar a PEC 215, proposta de emenda que transfere para o Congresso Nacional o poder de demarcar terras indígenas e que abre a possibilidade de alterar demarcações já feitas. "Suspender a demarcação de nossos territórios vai trazer ainda mais matanças e violência à nossa comunidade". A aldeia Kurusu Ambá está em Mato Grosso, um dos estados chaves para o agronegócio. Eliseu, assim como outros líderes indígenas, recebe constantes ameaças de morte, já denunciadas no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

A questão territorial é primordial para a sobrevivência das tribos, e os Kaiowá têm sofrido especialmente com esse problema. Muitos deles vivem à beira das estradas. Douglas Rodrigues, médico sanitarista e professor da Universidade Federal de São Paulo (USP), trabalha há mais de 20 anos com comunidades indígenas. Segundo ele, o índice de mortalidade infantil de crianças menores de um ano entre os Kaiowá é de 40 em cada mil, sendo que a média no Brasil para o resto da população é de 15.

Para Rodrigues, a saúde retrata a marginalização indígena no cenário político atual e ilustra muito bem o processo de aculturação ao qual são empurradas as comunidades. "Há uma invisibilidade de dados sobre a saúde indígena, e estes tampouco refletem a diversidade cultural e seus costumes. A tuberculose, por exemplo, é para alguns índios um mal espiritual e o médico não pode passar por cima dessa crença, que está relacionada à cosmogonia, aos relacionamentos sociais e à estrutura cultural da comunidade", argumenta.

A indiferença ao contexto cultural amplia o drama indígena, de acordo com Rodrigues. Ele cita que "90% da área da saúde atualmente é terceirizada. A alta rotatividade de profissionais impede a formação específica e a criação de vínculo", diz. Para o médico, a questão da terra também precariza as condições de saúde desses povos.

"Os índios Xavante, por exemplo, têm contato relativamente recente com a população branca, de cerca de 50 anos, e isso teve um impacto terrível na dieta alimentar desse povo devido ao recorte de suas terras, que impossibilita manter grandes roças. Hoje eles consomem alimentos industrializados e a consequência é um alto índice de obesidade. É uma verdadeira epidemia que pode provocar diabete e, posteriormente, cegueira nos índios. A incidência dessas doenças é ainda mais alta que no resto da sociedade", diz Rodrigues. Segundo ele, esse ciclo demonstra falta de equidade das políticas de Estado, que poderiam ser melhoradas com a inclusão ativa das comunidades na escolha dos caminhos a serem seguidos. "Para muitos, o isolamento é a única saída possível", diz.


Isolamento


Para o indigenista especializado em povos isolados Antenor Vaz, o isolamento é uma tática de sobrevivência e preservação cultural cada vez mais difícil de ser mantida. Isso porque as terras são disputadas por madeireiros, mineradores e pela política de desenvolvimento nacional . Na opinião dele, o Brasil está retomando uma concepção colonialista em relação a essas comunidades: "elas voltaram a ser vistas como um problema para o desenvolvimento do país", afirma.

O escritor e professor da etnia munduruku Daniel Munduruku diz que a diversidade cultural indígena é um ingrediente fundamental para o Brasil se perceber como povo. "Se o país realmente quer ser uma pátria educadora, não podemos ser homenageados por um dia e depois jogados para debaixo do tapete. O Dia do Índio é uma ficção criada pela história brasileira, que nunca incluiu a nossa concepção", comenta enfatizando que a demarcação das terras é fundamental para que sejam reconhecidos como cidadãos.

Muitas lideranças têm se aproximado do MinC para articular em conjunto ações e políticas que atendam suas demandas de uma forma mais integral.

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), por sua vez, assinou na segunda-feira (20), a homologação de três reservas indígenas na região norte do país, que totalizam 232.544 hectares. Na quarta-feira, dia 22, o Ministério do Planejamento deve publicar autorização para realização de concurso público para provimento de 220 cargos para agentes da Fundação Nacional do Índio (Funai).

http://www.cultura.gov.br/o-dia-a-dia-da-cultura/-/asset_publisher/waaE236Oves2/content/pauta-indigena-e-prioridade-no-ministerio-da-cultura/10883
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source