De Povos Indígenas no Brasil

News

Fórum Justiça denuncia à DPU crimes contra povos indígenas durante a ditadura

12/04/2021

Fonte: Sul21 - https://www.sul21.com.br



O Fórum Justiça enviou, nesta segunda-feira (12), denúncia à Defensoria Pública da União (DPU) sobre violações de direitos sofridas por integrantes de povos indígenas no Rio Grande do Sul, durante o período da ditadura civil-militar instaurada no Brasil a partir do golpe de 1964. O Fórum Justiça é uma articulação que envolve movimentos populares, organizações da sociedade civil, pesquisadores e agentes do sistema de justiça com o objetivo de debater coletivamente "políticas judiciais com redistribuição e reconhecimento de direitos e participação popular". A ação junto à DPU é um desdobramento da denúncia feita ao Ministério Público Federal, em 2018, sobre fatos ocorridos com os povos indígenas no RS durante a ditadura.

A denúncia se baseia em documentos históricos, como o Relatório Figueiredo e Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) que ocorreram, tanto no Congresso Nacional, como na Assembleia Legislativa gaúcha. Esses documentos apresentam testemunhos de indígenas e de missionários que acompanharam a questão indígena no período da ditadura, na Região Sul do país. A petição é assinada por membros e representantes de diversos espaços tais como: Acesso- Cidadania e Direitos Humanos; Conselho Estadual do Povo indígena (CEPI); Conselho Indigenista Missionário (CIMI); Conselho de Missão entre Povos Indígenas/ Fundação Luterana de Diaconia (COMIN/FLD); Fórum Justiça (FJ); Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB); Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (RENAP).

Os documentos encaminhados ao MP Federal e, agora, também à Defensoria Pública da União, relatam a prática de inúmeros crimes contra os povos indígenas, como a proibição de falar a língua e seguir suas tradições, usos e costumes; violação do direito de ir e vir; prisões ilegais; remoções forçadas; desagregação social; torturas e condições de trabalho análogas ao trabalho escravo. Além de pedir a investigação desses crimes, a denúncia reivindica também a "aferição das perdas às comunidades indígenas, por estimativa do que foi desmatado e por meio da atualização dos ganhos indicados, inclusive, pelo próprio Presidente da Funai a época, na CPI do Congresso Nacional de 1977, visando uma ação judicial de reparação."

O advogado Rodrigo de Medeiros Silva, integrante do Fórum Justiça e da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (Renap), destaca o caráter imprescritível dos crimes contra a humanidade, o que é hoje um princípio de direito internacional, com fundamento nas Resoluções no 02 e no 95 da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, acrescenta, o Brasil ao internalizar o Estatuto de Roma, via Decreto-Legislativo 4.388/2002, e dispondo em seu artigo 5o, §2o,3o e 4o, da Constituição Federal, fez com que crimes como a tortura sejam imprescritíveis. Quanto ao trabalho análogo ao escravo, o advogado aponta que também já há decisões que reconhecem a sua imprescritibilidade, por força da Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH); da Convenção Relativa a Abolição do Trabalho Forçado, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), adotada em 1957; da Convenção sobre a Escravatura, adotada em Genebra, em 1926; dentre outros documentos internacionais.



https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/geral/2021/04/forum-justica-denuncia-a-dpu-crimes-contra-povos-indigenas-durante-a-ditadura/
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source