De Povos Indígenas no Brasil

News

"Não existe saúde sem meio ambiente e território protegidos", afirma Thaynara Sipredi, em live do CNS sobre Povos Tradicionais

23/11/2020

Fonte: CNS - http://conselho.saude.gov.br/ultimas-noticias-cns/



"Não existe saúde sem meio ambiente e território protegidos", afirma Thaynara Sipredi, em live do CNS sobre Povos Tradicionais

Publicado: Segunda, 23 de Novembro de 2020, 20h15
Última atualização em Terça, 24 de Novembro de 2020, 13h12

O debate, transmitido ao vivo na quinta (19/11), faz parte da "Ocupação Preta: Rodas Virtuais sobre Equidade e Saúde"

Os povos e comunidades tradicionais do Brasil historicamente enfrentam a negligência do Estado diante de contextos de vulnerabilidade. São indígenas, quilombolas, ciganos, seringueiros, extrativistas, entre outras dezenas de identidades originárias que são duramente impactadas pela pandemia de Covid-19 e pela destruição ambiental. O Conselho Nacional de Saúde (CNS) realizou na quinta-feira (19/11) uma live com especialistas e ativistas sociais para dialogar sobre essa pauta como parte da "Ocupação Preta: Rodas Virtuais sobre Equidade e Saúde".

A luta dos povos originários e tradicionais no Brasil enfrenta desafios como o aumento do desmatamento, das invasões de garimpeiros ilegais em seus territórios, a paralisação das demarcações pelo governo federal e o avanço da pandemia. Esse contexto impede a segurança e a qualidade de vida dessas populações. "Não existe saúde sem meio ambiente e sem que nosso território esteja protegido", destacou a representante da Articulação Brasileira dos Indígenas Psicólogos (as) (Abipsi).

Dados publicados pelo Instituto Socioambiental (ISA) em setembro apontam que, entre março e julho de 2020, houve aumento de 827% no desmatamento na Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá (PA), 420% na região Kayapó e 238% nas terras Munduruku. Outras quatro áreas, as TI's TIs Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau (RO), Araribóia (MA) e Yanomami (AM/RR), somam-se ao grupo das sete regiões mais desmatadas no período da pandemia.

São contabilizadas 2,4 mil hectares de florestas derrubadas, o equivalente a 15 vezes o Parque do Ibirapuera, em São Paulo, conforme divulgado pela pesquisa. "Sabemos como a Amazônia e o Pantanal estão sofrendo com as queimadas e, mesmo com pressão internacional por respostas, a conjuntura política nacional não está dando retorno", ressaltou a conselheira nacional de Saúde, Michelle Seixas, mediadora da Live.

A defesa dos povos originários do Brasil
A história mostra que o direito à terra está diretamente conectado à questão racial. O racismo estrutural concebe relações de poder que tratam o direito à terra como um privilégio."A maior luta que a gente enfrenta hoje é sobreviver. A realidade brasileira é dura e perversa", a fala é psicólogo ambiental, Aurelino Oliveira. Para Aureliano, o contexto atual é de desmontes de conquistas históricas, por isso, é fundamental que a sociedade zele para que sejam asseguradas as políticas já existentes.

Para a representante da Associação Internacional Maylê Sara Kalí, Anne Kellen, é preciso um outro olhar sobre essas populações. "Nós não somos minoria, somos muitos povos. Somos povo tradicional, com orgulho da nossa origem. Quando a gente se junta, a gente se fortalece".

A representante da Casa das Pretas (MT), Paty Wolff, ressalta que é fundamental que todas as populações e povos tradicionais se unam neste momento e que a luta antirracista atravesse todas as instâncias. "Que possamos estar cada vez mais representados nos espaços de poder, onde são tomadas às decisões sobre a nossa vida e a nossa sobrevivência".

As próximas edições da Ocupação Preta contarão com debates sobre Saúde e Participação Política (26/11); e Racismo, Desigualdades Sociais e as Repercussões (3/12). O evento é uma iniciativa da Comissão Intersetorial de Promoção das Políticas de Equidade (Cippe/CNS). A Comissão acompanha a política de promoção da equidade em saúde, compreendendo a saúde das populações Negra; Lésbica, Gay, Bissexual, Travesti e Transexual (LGBT); em Situação de Rua; do Campo, das Águas e Florestas; e dos Povos e Comunidades Tradicionais.

Assista à live na íntegra


http://conselho.saude.gov.br/ultimas-noticias-cns/1473-nao-existe-saude-sem-meio-ambiente-e-territorio-protegidos-afirma-thaynara-sipredi-em-live-do-cns-sobre-povos-tradicionais
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source