News

Um recado do Xingu

12/09/2017

Autor: FAUSTINI, Marcus

Fonte: O Globo, Segundo Caderno, p. 2



Um recado do Xingu
Ouvir os povos indígenas, sua visão de mundo e cultura, é uma das coisas que todo brasileiro deveria fazer em vida

Marcus Faustini

"Nós somos os brancos que têm contato com a cultura indígena." A frase é do cacique Afukaka, da aldeia Ipatse, do povo kuikuro do Alto Xingu. Voltei de uma semana de imersão na aldeia e essa sentença enigmática se revela como um saber sobre anos de interação conflituosa.
A aldeia dos kuikuros é uma das quase duas dezenas de aldeias dos povos indígenas do Xingu. Para chegar nela, pegamos um voo do Rio até Brasília e depois mais 17 horas de ônibus até a cidade de Canarana, no Mato Grosso - cidade-entreposto do agronegócio na região, com forte presença de descendentes de alemães vindos do Sul do país. De lá até o Xingu, são mais quatro horas de carro, quilômetros de fazendas com plantações de soja, milho e gado. Um deserto amarelo com um festival de anúncios de pesticidas em partes da estrada. A placa que demarca o limite de começo da região do Xingu está cravada de tiros. Uma demonstração da ameaça e da tensão que rondam a vida das populações indígenas, mesmo com a importância que o Parque Indígena do Xingu possui - criado em 1961 pelo então presidente Jânio Quadros, foi a primeira terra indígena homologada pelo governo federal. Seus principais idealizadores foram os irmãos Villas-Bôas, e Darcy Ribeiro deu o contorno legal e fundamento ao ideário.
Manter a cultura do povo Kuikuro é uma das maiores preocupações presentes na fala do cacique em todas as conversas que tivemos. O canto, a dança, a pesca, a mandioca, o artesanato e sobretudo o registro e a preservação do Karibe - a língua da etnia. "É essa cultura que fortalece a identidade para lidar com ameaças: sem essa cultura forte, quem quer o nosso fim já teria entrado aqui e nos destruído" - mais uma frase de lucidez extrema do cacique Afukaka, que permanece na lembrança enquanto escrevo a coluna desta terça. Na mesma semana da imersão, diversas etnias realizavam manifestações em Canarana. O governo tirou um gestor de saúde indicado pelos povos indígenas e colocou alguém de indicação política. O uso político de tudo que diz respeito aos povos indígenas, sem a consulta e participação deles, é um dos principais problemas apontados por eles no atual cenário. E o objetivo é claro: esvaziar a causa e direitos para aumentar o espaço de produção do agronegócio e da mineração no país.
O esvaziamento é sentido no cotidiano da aldeia. No posto de saúde presenciei médicos residentes, de um projeto de uma universidade paulista, relatando dificuldades em receber diagnósticos dos exames que realizam e enviam às instâncias estaduais e federais de saúde. Numa das salas do posto, os jovens da aldeia se concentram nos horários em que o gerador é ligado e o acesso à internet é possível. Trocam mensagens por zap com jovens de outras aldeias, parentes que moram na cidade para estudar, jogam games online e assistem futebol - a aldeia tem dois campos.
Takumã Kuikuro, cineasta forjado nas oficinas do Vídeo nas Aldeias, que já fez filme sobre o Rio de Janeiro e Londres, vem demonstrando uma leitura de mundo a partir da perspectiva indígena em seus filmes. "Pele de branco" é um deles, e mostra a visão indígena sobre a relação com a tecnologia presente na vida da aldeia. O que ela traz de positivo e de ameaça. A pele seria a presença de motos, roupas, câmeras etc, na vida cotidiana dos indígenas. A reflexão do cineasta faz ponte com a frase do cacique e demonstra a capacidade de reflexão e pensamento deste povo sobre dilemas de interação com o mundo dos brancos.
Essa imersão aconteceu por iniciativa do People's Palace Project junto com a Associação dos Kuikuros e levou artistas e intelectuais para um intercâmbio artístico na aldeia. O resultado será mostrado no Rio de Janeiro em novembro, no próximo Multiplicidade, evento de arte e tecnologia criado por Batman Zavareze.
Ao longo dos dias na aldeia o grupo teve aulas de Karibe. Um dos artistas residentes pergunta: "como se fala 'fora Temer'?" Um jovem indígena responde e coloca no papel. "Etitseha Temer" - "Fora Temer" em Karibe - foi a frase mais dita no restante da tarde. No mesmo dia, o cacique já havia falado de forma contundente que Temer é um grande inimigo dos povos indígenas. O recado foi dado.
Na volta, cruzei a reserva e as fazendas numa S10 antiga, guiada por Jair, radialista e irmão de Takumã. Falamos dos conflitos, da necessidade de elegerem representantes indígenas nas eleições futuras e ouvimos música - suas filhas e seus parentes dormiam no banco de trás. Não faz muito tempo um fazendeiro ameaçou indígenas e avançou sobre as terras. As denúncias e a luta dos povos da região fizeram o governo Dilma aumentar a fronteira do parque, um pouco antes de seu impeachment. Isso não alivia a opinião deles sobre o quanto a construção da usina de Belo Monte, no governo Dilma, impactou o ecossistema onde vivem diversas etnias.
Ouvir os povos indígenas, sua visão de mundo e cultura, estar perto deles, é uma das coisas que todo brasileiro deveria fazer em vida.

O Globo, 12/09/2017, Segundo Caderno, p. 2

https://oglobo.globo.com/cultura/um-recado-do-xingu-21809748
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source

Related news