Noticias

Sepi participa de reunião do Comitê Gestor para discutir obras na BR-156 e remoção de aldeias

18/01/2012

Autor: Anselmo Wanzeller

Fonte: Governo do Amapá - http://www.ap.gov.br/



A Secretaria Extraordinária dos Povos Indígenas do Amapá (Sepi) participará da Reunião do Comitê Gestor, a primeira do ano de 2012, na aldeia Tukay, no município de Oiapoque. Serão discutidos junto com outros órgãos a pavimentação e o asfaltamento da BR-156 e a remoção de aldeias. O encontro está previsto para a primeira quinzena de fevereiro.

O secretário da Sepi, Coaraci Gabriel, diz que tudo está acontecendo conforme o esperado pelas comunidades indígenas e o compromisso de realocar as aldeias está sendo cumprido.

"O Governo do Estado do Amapá vem cumprindo com o seu compromisso e já realocou duas aldeias, a Piquiá do Km 40 e a Curipi do Km 50. Estamos trabalhando para que tudo seja concluído de maneira satisfatória aos povos indígenas", declarou o secretário.

Além da Sepi, irão participar da reunião a Fundação Nacional do Índio (Funai/AP), Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Secretaria de Estado de Transporte (Setrap), dentre outros órgãos.

A BR-156 tem início em Laranjal do Jari (fronteira com o Pará) e se estende até o município de Oiapoque, no extremo Norte do Brasil. Ao todo, são 804 quilômetros de estrada, dos quais cerca da metade está asfaltada e o restante, que inclui a terra indígena, segue na piçarra.

Nos 40 quilômetros em que atravessam a Reserva Uaçá, a BR-156 contabiliza em suas margens oito comunidades indígenas dos povos Karipuna, Galibi-Marworno e Palikur. A rodovia separa a área onde vive a maior parte das populações tradicionais das nascentes dos rios Urucauá, Uaçá e Curipi - pertencentes à terra indígena -, que são determinantes na vida das aldeias.

Dos rios vem o sustento através da pesca e também são eles que fertilizam o solo para a agricultura e possibilitam o acesso às comunidades mais isoladas.



http://www.ap.gov.br/amapa/site/paginas/noticias/news.jsp?ref=3880
 

Las noticias publicadas en el sitio Povos Indígenas do Brasil (Pueblos Indígenas del Brasil) son investigadas en forma diaria a partir de fuentes diferentes y transcriptas tal cual se presentan en su canal de origen. El Instituto Socioambiental no se responsabiliza por las opiniones o errores publicados en esos textos. En el caso en el que Usted encuentre alguna inconsistencia en las noticias, por favor, póngase en contacto en forma directa con la fuente mencionada.

Noticisa relacionadas