From Indigenous Peoples in Brazil

News

Estudo: Brasil vive maior retrocesso em liberdade de expressão do mundo

19/10/2020

Autor: CHADE, Jamil

Fonte: UOL - https://noticias.uol.com.br/colunas/jamil-chade



Estudo: Brasil vive maior retrocesso em liberdade de expressão do mundo

Jamil Chade

O Brasil sofre a maior queda no mundo na avaliação da liberdade de expressão e passa a ser qualificado dentro do grupo de países onde existe "restrição" para esse direito. A constatação é da entidade internacional Artigo 19 que, nesta segunda-feira, apresenta seu informe global sobre as ameaças à liberdade de expressão. O levantamento revela que, hoje, 3,9 bilhões de pessoas no mundo vivem sob crise de liberdade de expressão. Na prática, mais da metade da população mundial vive em um país com o indicador de liberdade de expressão em um estado de crise. Trata-se do pior resultado em 20 anos.
A queda foi puxada por restrições crescentes em países com grandes populações, como a China, Índia, Turquia, Rússia, Bangladesh e Irã, e por retrocessos e quedas alarmantes em países como o Brasil, Estados Unidos, Hungria e Tanzânia. Se no ranking de 2009 o Brasil somava 89 pontos em uma escala de zero a 100 no que se refere aos critérios de liberdade de expressão, em 2020 o país obteve apenas 46 pontos e despencou. Hoje, ocupa a modesta 94ª posição, entre 161 países avaliados. Com isso, o Brasil deixa de fazer parte da lista de países classificados como "abertos" em termos de liberdade de expressão. O ranking é dividido em cinco categorias para pedir a garantia da liberdade de expressão em cinco categorias. Países que pontuam entre 0 e 19 são classificados como "em crise". Aqueles com uma taxa entre 20 e 39 pontos são definidos como países com "com alta restrição". O segmento seguinte é onde o Brasil se encontra: países com restrição nas garantias desse direito, com uma pontuação de 40 a 59.

Brasil se aproxima da Venezuela em restrições à liberdade
O ranking ainda prevê uma categoria de países "em restrição parcial (entre 60 e 79 pontos)". Já no grupo de elite estão países como Dinamarca, Suíça, Noruega e Canadá, considerados como "abertos". Nesse grupo ainda estão países sul-americanos como o Uruguai, Chile e Argentina, além dos EUA. A queda de 43 pontos do Brasil foi a mais significativa do mundo, seguido pela Índia, Nicarágua e Ucrânia. De acordo com o informe, a deterioração já começou a ocorreu ao longo da década, mas foi "acelerada com a chegada de Jair Bolsonaro ao poder no início de 2019". De acordo com o levantamento, o país perdeu 18 pontos em apenas um ano e hoje está praticamente empatado com as Filipinas, abaixo da Hungria ou Haiti. De acordo com o estudo, o Brasil está atrás de todos os países da América do Sul, com exceção apenas da Venezuela.
"A pandemia de 2020 fez do Brasil um exemplo extremo de como líderes autoritários e restrições à liberdade de expressão, combinados com desinformação, representam um alto risco para a saúde pública", destaca a análise.

Ataques contra a imprensa degeneram o acesso à informação
Na avaliação da entidade, países com grandes populações e outros com grande influência - China, Índia, Rússia, Turquia, Irã e Bangladesh - estão vivendo em uma "crise de expressão". O Brasil ainda não entrou na categoria de crise, mas tem visto um declínio acentuado e acelerado, enquanto países como os Estados Unidos estão vacilando e criando ambientes cada vez mais hostis para comunicadores e ativistas. Além do indicador e do alerta, a publicação traz recomendações para reverter essa tendência. "No Brasil e no mundo, é preciso garantir um ambiente de trabalho seguro para jornalistas, livre de ataques a organizações da sociedade civil e em que a população não encontre barreiras de acesso à informação pública e a uma internet livre de violações de direitos humanos", afirma Denise Dourado Dora, diretora executiva da organização não governamental Artigo 19. Os ataques contra a liberdade de expressão no Brasil acontecem dentro de um contexto maior e que tem atingindo outros países pelo mundo. Segundo a entidade, o abuso de poder excessivo e o deslize em direção à autocracia começam ganhando o controle sobre a sociedade civil e a mídia. Esses governos, num primeiro momento amordaçam as entidades de controle, se desfazem em instituições democráticas e, por fim, destroem a independência das eleições. "Os dados em países como Hungria, Turquia, Polônia, Sérvia, Brasil e Índia nos mostram este padrão de forma consistente", alerta.

Governo do Brasil atua sobre restrição de informações e ataca jornalistas e ativistas
De acordo com o levantamento, o governo Bolsonaro passou a adotar duas estratégias. Uma delas é a desinformação, suprimindo dados precisos e reduzindo o acesso a fontes de informações oficiais. A segunda são ataques contra vozes independentes, desde jornalistas e blogueiros até ativistas de direitos humanos e ONGs. A mesma estratégia contém objetivos claros de criminalizar movimentos sociais. "Em 2016, foi aprovada uma lei antiterrorismo, consistentemente aplicada para criminalizar os movimentos sociais e os protestos. Em 2019, 21 novos projetos legais foram propostos, com o objetivo de aumentar as penas e restringir ainda mais as atividades", indicou o relatório.

A criminalização de ONGs e defensores é particularmente séria na área dos direitos ambientais, como foi demonstrado durante os incêndios na Amazônia em 2019. Grupos de ambientalistas e membros dos Bombeiros de Alter do Chão (PA) chegaram ser presos ou indiciados. No ano passado, 24 defensores de direitos humanos foram assinados no Brasil, contra 18 no México e 14 em Honduras. Hoje, a região é a que mais mata ambientalistas. Em 2019, 33 assassinatos ocorreram na região Amazônica e quase 90% dos assassinatos de ativistas e indígenas no Brasil aconteceram nesse setor do país. Um deles foi Paulo Paulino Guajajara, de 26 anos.

Errata: o texto foi atualizado Diferentemente do informado no quinto parágrafo, o Brasil obteve 46 pontos e despencou no ranking em 2020, e não em 2000. O texto foi corrigido.



https://noticias.uol.com.br/colunas/jamil-chade/2020/10/19/estudo-brasil-vive-maior-retrocesso-em-liberdade-de-expressao-do-mundo.htm
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source