From Indigenous Peoples in Brazil

News

Índice de desmatamento baliza preço de cerveja Colorado

19/10/2020

Autor: CHIARETTI, Daniela

Fonte: Valor Econômico, Empresas, p. B10



Documentos anexos


Índice de desmatamento baliza preço de cerveja Colorado
Amazônica é feita de farinha de babaçu, pacová e limão

Por Daniela Chiaretti - De São Paulo

O desmatamento da Amazônia inspirou um índice de preços que varia conforme o ritmo da degradação. O Índice de Preços da Amazônia, conhecido pela sigla Irpa, foi desenvolvido para aumentar a consciência do consumidor para o valor da biodiversidade na floresta. A métrica foi criada para a cerveja Colorado Amazônica, à base de trigo e babaçu, pacová e casca de limão. O Irpa foi criado especialmente para a Colorado Amazônica pelo engenheiro florestal Tasso Azevedo, coordenador-geral do MapBiomas, uma rede colaborativa formada por universidades, ongs e empresas de tecnologia.
"O princípio é o seguinte: está se usando ativos da Amazônia. Se a floresta estiver conservada, os recursos estão disponíveis. Se for destruída, está se tornando escasso o ativo que se quer usar e, portanto, terá que ficar mais caro", explica. "Depois pensamos em aumentar o preço de um produto relacionado à Amazônia, se a floresta está sendo mais desmatada", segue. "A ideia é chamar a atenção para o valor da conservação", continua.
O Irpa nasceu "com a preocupação de se capturar o que acontece na floresta", segue ele. O cálculo é feito tomando-se a média do desmatamento da Amazônia nas últimas quatro semanas e comparando com a média das mesmas quatro semanas em 2019 e 2018. A base da métrica é feita sobre os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que atualiza os números de desmatamento a cada sexta-feira. O preço da Colorado Amazônica é reajustado toda quinta-feira. A Cervejaria Colorado, de 1996, é de Ribeirão Preto. Em 2015 foi comprada pela Ambev (Companhia de Bebidas das Américas).
A cerveja Colorado Amazônica é uma produção única de uma Witbier, também conhecida como Belgian White. É produzida com farinha de babaçu, pacová e casca de limão e foi lançada em 3 de setembro, dia da Amazônia, com comercialização online. A farinha de babaçu é produzida por comunidades extrativistas no Pará e toda a venda da cerveja vem sendo doada para a Rede de Cantinas da Terra do Meio formada por ribeirinhos, indígenas e agricultores familiares. A edição única da Colorado Amazônica foi de 13 mil latas. "Queremos ajudar a manter vivo o berço da biodiversidade brasileira", diz o material de divulgação à imprensa da cerveja. "Assumimos um compromisso com a conservação da biodiversidade e estamos ao lado daqueles que respeitam e ajudam a manter a Amazônia em pé", diz Guilherme Poyares, gerente de marketing da Colorado. "Nos cercamos de parceiros sérios que vivem e cuidam da floresta todos os dias e estamos muito felizes em fomentar essa conversa junto ao público".
Poyares não revela o desempenho de vendas da Colorado Amazônica. Diz que o público é formado por pessoas "que têm predisposição a gostar do tema e que valorizam as coisas do Brasil". Diz, ainda, que o lançamento da cerveja e o mecanismo de preço relacionado aos índices de desmatamento teve "grande repercussão." Com o lançamento da Colorado Amazônica, a empresa se tornou membro da Origens Brasil, uma rede que conecta empresas e cadeias produtivas sustentáveis em áreas prioritárias de conservação na Amazônia. O selo Origens Brasil busca tornar viáveis negócios em prol da floresta em pé garantindo a origem, rastreabilidade, transparência e promovendo o comércio ético.
A iniciativa foi lançada em 2016 e desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e do Instituto SocioAmbiental (Isa). O selo valoriza as populações locais e os territórios de diversidade socioambiental e está hoje em produtos tão diversos quanto pimenta baniwa com açaí, óleo de copaíba, alpargatas caiapó, pães Wickbold, borrachas Mercure, e no projeto Caras do Brasil do Pão de Açúcar. "Queremos mudar o paradigma na Amazônia de como os negócios são feitos", diz Luiz Brasi Filho, coordenador de mercado da Origens Brasil. "Com a Colorado Amazônica, a empresa reforça seu compromisso de longo prazo com os povos da floresta, de forma ética e transparente", continua. "A empresa compra este ingrediente, a farinha de babaçu, das comunidades a um preço justo. Com o Irpa, o consumidor reflete sobre biodiversidade e o desmatamento", segue. Cerca de 600 famílias da Terra do Meio vêm sendo beneficiadas pela iniciativa da Colorado.
"Precisamos valorizar os guardiões da nossa floresta. A melhor forma de manter a floresta em pé é consumir produtos do extrativismo brasileiro gerando renda às comunidades", diz Brasi Filho. O Irpa foi desenvolvido para a Colorado, mas pode ser replicado. "Criei uma métrica que pode ser usada em vários setores com produtos relacionados à Amazônia", diz Azevedo.

Valor Econômico, 19/10/2020, Empresas, p. B10

https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/10/19/indice-de-desmatamento-baliza-preco-de-cerveja.ghtml
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source