From Indigenous Peoples in Brazil

News

A chantagem de Ricardo Salles com o desmatamento

01/12/2019

Autor: RITTL, Carlos

Fonte: O Globo, Sociedade, p. 39



A chantagem de Ricardo Salles com o desmatamento
Ministro quer cobrar dinheiro de países ricos pelo aumento do desmatamento; não vai dar certo - mas ele já sabe disso

Carlos Rittl

Que diferença um ano faz. No começo de seu mandato, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, justificou assim sua rejeição às negociações internacionais em torno do clima: "Nossa prioridade no ministério não é ficar mandando grupo de 20, 30 pessoas viajando o mundo inteiro de executiva e ficando em hotel e comendo por conta do governo para discutir como vai estar o mundo daqui a 500 anos".

Não se sabe em que classe Salles voará para Madri para participar da 25ª Conferência da Convenção do Clima da ONU, a COP-25, que começa amanhã. Mas, ao menos no discurso, sua visão sobre o encontro parece ter mudado.

No dia 19 de novembro, confrontado com a catástrofe da aceleração do desmatamento na Amazônia, Salles chamou a imprensa para dizer que tinha a resposta para o problema: cobrar dos países ricos, na COP-25, recursos "compatíveis com o desafio de preservação da Amazônia", que "até agora não recebemos".

Não será a primeira vez que uma autoridade brasileira tenta obter da comunidade internacional recursos para a proteção da floresta. Mas Salles inova ao ser o primeiro negacionista do clima a ir a uma COP pedir dinheiro para resolver um problema que ele não acha que seja causado por ações humanas.E, mais grave, a fazê-lo num momento em que o governo brasileiro já demonstrou que não tem interesse em resolver o desmatamento, essa "questão cultural".

É como se um inadimplente entrasse num banco exigindo um aumento em seu limite de crédito, alegando que costumava ser um bom pagador... Antes de abrir a conta.

Em entrevista, Salles calculou a suposta dívida dos países ricos com o Brasil em US$ 10 bilhões por ano - 10% de todo o financiamento climático prometido no Acordo de Paris. Ele afirma ainda que o Brasil já fez demais pelo clima. E que, para fazer mais, deveria receber pelo calote supostamente tomado. Com a truculência de praxe, tem imposto esse pagamento como condição para sentar-se à mesa de negociações.

Não, Salles, ninguém deve nada ao Brasil. Isso é uma estupidez técnica, ética e política.

Técnica porque a meta do Brasil no Acordo de Paris não é condicionada. Ao assumir o compromisso, em 2015, o país não o vinculou ao aporte de recursos internacionais. E fez isso porque conseguiu reduzir o desmatamento ao mesmo tempo em que o PIB brasileiro, inclusive do agro, crescia.

Além disso, nosso inadimplente esquece que o mundo já reconheceu as reduções de CO² por desmatamento do Brasil e já vem pagando por elas de duas maneiras: uma é o Fundo Amazônia, de R$ 3,4 bilhões. A outra são US$ 96 milhões recebidos do Fundo Verde do Clima (GCF). Foi o próprio Salles quem optou por não usar os recursos, porém: parou o Fundo Amazônia por birrinha com ONGs e não nomeou a comissão para gerenciar a verba do GCF.

Estupidez ética porque, como Salles já deve ter notado, o desmatamento subiu 30% neste ano e segue em alta para 2020. O ministro disse na semana passada que ficaria feliz se a destruição subisse apenas 29% no ano que vem.

O raciocínio inovador que permitiu à Noruega doar US$ 1 bilhão ao Fundo Amazônia foi justamente reduzir o desmate primeiro e receber o recurso depois. Um governo que espantou os parceiros do fundo e que admite que "potencializou" a destruição da floresta não tem moral nenhuma para cobrar recurso.

Evidentemente os negociadores que se reunirão em Madri a partir de amanhã sabem disso. Daí a chance de o ministro ter sucesso político em sua chantagem florestal é nula. Salles também sabe disso, é claro; sua ideia nunca foi realmente captar recurso para a Amazônia, mas sim gerar buzz para desviar a atenção da sua responsabilidade pelo aumento do desmatamento.

Fazê-lo num palco como a COP, porém, é uma aposta alta. Como lembra um experiente diplomata sul-americano, no jogo das relações internacionais, quem não se senta à mesa geralmente é parte do cardápio.

*Carlos Rittl, biólogo, é secretário-executivo da ONG Observatório do Clima.


O Globo, 01/12/2019, Sociedade, p. 39

https://oglobo.globo.com/sociedade/artigo-chantagem-florestal-de-ricardo-salles-1-24111306
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source