Foto: Cloude de Souza Correia, 2003

Nawa

  • Outros nomes
    Náua
  • Onde estão Quantos são

    AC423 (Correia, 2005)
  • Família linguística

Localização, população e ambiente

Os Nawa residem atualmente, em sua maioria, no Município de Mâncio Lima, sendo possível localizar alguns integrantes desse povo em outros municípios do Estado do Acre, como Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Rio Branco. Também existem famílias Nawa residindo em outros estados, nas cidades de Porto Velho/RO e Manaus/AM, e em outro país, no Peru.

No Município de Mâncio Lima, os Nawa residem em sua maioria na margem direita do rio Moa e nos igarapés dessa mesma margem denominados Jordão, Pijuca, Novo Recreio, Jarina, Venâncio e Jesumira, onde reivindicam a identificação e delimitação de suas terras, cujo processo de reconhecimento pela Funai já foi iniciado.

A população nawa residente na Terra Indígena reivindicada era formada em 2005 por cerca de 306 indivíduos. Nessa época também foi realizado um levantamento parcial da população nawa residente na cidade de Mâncio Lima, sendo recenseados 117 pessoas. Como o levantamento na cidade não foi completo, o número de moradores nawa pode ser muito superior. Segue abaixo um quadro da distribuição populacional dos Nawa em 2005.


Igarapé/Rio População
Novo Recreio 141
Jesumira 24
Moa 72
Jarina 13
Venâncio 07
Jordão 04
Pijuca 45
Total 306
 

Meio ambiente

A Terra Indígena Nawa está localizada no Estado do Acre, o qual situa-se no extremo sudoeste da Amazônia brasileira. O estado possui fronteiras internacionais com o Peru e a Bolívia, e nacionais com os Estados do Amazonas e de Rondônia. No extremo ocidental, situa-se o ponto mais alto do estado, onde a estrutura do relevo é modificada pela presença da Serra do Divisor, uma ramificação da Serra Peruana de Contamana, apresentando uma máxima altitude de 600 m.

Os solos acreanos abrigam uma vegetação natural composta principalmente por florestas, classificadas em floresta Tropical Densa e floresta Tropical Aberta, caracterizada pela sua heterogeneidade florística de alto valor econômico. O clima, por sua vez, é do tipo equatorial quente e úmido.

A hidrografia acreana é bastante complexa e sua drenagem bem distribuída, sendo formada pelas bacias hidrográficas do Juruá e do Purus, afluentes da margem direita do rio Solimões.

A Terra Indígena Nawa está localizada na bacia do rio Juruá, a qual ocupa uma ampla área de 25.000 km². A extensão total do rio Juruá é de 3.280 km, com um desnível de 410m. Ele nasce no Peru a 453 m de altitude com o nome de Paxiúba, unindo-se depois com o Salambô e passando daí para baixo a ser denominado de Juruá. Atravessa a parte noroeste do estado do Acre no sentido Norte-Sul, entrando posteriormente no Estado do Amazonas e desaguando no rio Solimões.

Como a bacia do Alto Juruá drena uma vasta área no estado do Acre, ela engloba terras de vários municípios: Marechal Thaumaturgo, Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves, Mâncio Lima e Porto Valter. Desses cinco municípios existentes na sua bacia o rio Juruá corta apenas três, sendo eles Marechal Thaumaturgo, Cruzeiro do Sul e Porto Valter.

O rio Juruá possui pela margem direita nove principais afluentes: Breu, Caipora, São João, Acuriá, Tejo, Grajaú, Natal, Humaitá e Valparaíso. E outros nove afluentes importantes pela margem esquerda: Amônea, Aparição, São Luiz, Paratati, Rio das Minas, Ouro Preto, Juruá-Mirim, Paraná dos Mouras e Moa. No alto rio Moa encontra-se na margem direita a Terra Indígena Nawa, no Município de Mâncio Lima.

A Terra Indígena Nawa faz parte de um “mosaico” de 25 terras federais existentes no Alto Juruá: um Parque Nacional, três Reservas Extrativistas e 21 Terras Indígenas [dados de 2005].