News

mil pessoas vivem isoladas no Pantanal

20/07/2003

Fonte: Correio do Estado-Campo Grande-MS



Morar em uma localidade que não oferece energia elétrica ou água encanada. Cavalgar cerca de seis horas para pegar um barco e enfrentar outras dezesseis horas de viagem até chegar à cidade mais próxima. Embora dê a impressão de ser uma cena de séculos atrás, o cenário ainda existe e é enfrentado atualmente por aproximadamente 4 mil pessoas que vivem em 51 localidades no Pantanal, em Corumbá.
A dificuldade no acesso é o fator que mais chama atenção, principalmente para quem mora em grandes centros urbanos e está habituado a utilizar diversas formas de transporte. Cavalo e embarcações, conhecidas como lanchas, são para os pantaneiros os meios de locomoção mais comuns.
Eles vivem isolados da cidade, o maior contato com a civilização é através de programas de rádios específicos para troca de avisos entre parte dos familiares que moram em Corumbá e os que ficaram nas fazendas, sítios e ranchos.
Os problemas começam com as distâncias, que não são medidas em quilômetros, mas em hora que passam dentro de barcos para chegar até o local. Aí surge um componente curioso, porém de fácil explicação, segundo os pantaneiros. A viagem de ida até Corumbá dura menos tempo que a volta. Quando parte para a cidade a embarcação desce o rio com pouco peso, ao retornar é preciso subir o rio com os bagageiros lotados das mais variadas mercadorias.

Viagens caras
Uma das maiores distâncias é percorrida pelos índios guatós, que vivem em uma reserva na Ilha Ínsua. "Com o nosso barco, o Guató I, gastamos 20 horas para ir até Corumbá e 30 horas para voltar, no total do percurso só de combustível o gasto fica em 900 litros", explicou o cacique Severo, 65 anos, líder da comunidade indígena.
Não são todos que possuem embarcações próprias, como os índios, e nestes casos é preciso pagar pelo serviço prestado. Os valores variam muito e a alta quantia cobrada gera reclamações.
"Não há controle sobre os preços praticados, os donos de lanchas cobram entre R$ 40 e R$ 45, além do acréscimo de mercadoria que a gente carrega, são poucos os que cobram valores entre vinte e trinta reais", denunciou Adevanir Estigarribia, 53 anos, que mora em um pequeno sítio na região do Palmital.
Além do preço que considera alto pelas viagens, Estigarribia lembrou que a "lancha" passa uma vez por semana e para conseguir pegá-la, precisa andar a cavalo até o Porto do Amolar por aproximadamente seis horas. Lá entrega o animal para o acompanhante de viagem que retorna para a propriedade, que divide com outros seis familiares. "Quando volto, aviso pelo rádio para me esperarem no porto com o cavalo".
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source