Notícias

Lobão admite que licença para Usina de Jirau pode sair só na próxima semana

07/11/2008

Autor: Nielmar de Oliveira

Fonte: Agência Brasil - www.agenciabrasil.gov.br



Rio de Janeiro - Ao contrário do que afirmou ontem (6), que a Usina de Jirau uma das duas já licitadas no complexo do Madeira receberia hoje a licença de instalação, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, admitiu que pode haver atraso. Segundo ele, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) só deve conceder a licença na próxima semana.

Lobão afirmou que, caso isso não aconteça, o consórcio Energia Sustentável, vencedor da licitação, perderá a janela hidrológica (período seco) para o início da obra.

"Temos lutado junto ao Ministério do Meio Ambiente no sentido de que essa licença seja concedida o mais rapidamente possível, até para aproveitarmos a janela hidrológica. O Ibama promete fazer isso. Em princípio, a data estava marcada para hoje, mas talvez se estenda até a próxima semana. Mas eu ainda tenho esperança de que possa ocorrer hoje".

Com relação à intenção do consórcio de construir a unidade nove quilômetros abaixo do local fixado no edital, o ministro disse que a decisão é uma prerrogativa do Ibama.

A Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica] já tomou a decisão favorável nesse sentido [de que pode mudar o local], mas o Ibama tem também a prerrogativa de estabelecer suas ações para a implantação da unidade".

Lobão voltou a afirmar que, se demorar mais de uma semana para a com cessão da licença, não será possível aproveitar o período seco para dar início às obras.

Lobão deu as declarações no Palácio Itamaraty, no Rio, onde participa da solenidade de posse de dois diretores da Agência Nacional do Petróleo.
 

As notícias publicadas no site Povos Indígenas no Brasil são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos .Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Notícias relacionadas