News

Farcs aliciam índios para o tráfico na Amazônia

22/10/2008

Autor: Chico Araújo

Fonte: Agência Amazônia de Notícias - www.agenciamazonia.com.br




Além do tráfico, a prostituição infanto-juvenil e o consumo de álcool cresce entre os indígenas.

MANAUS, AM - A prostituição infanto-juvenil, o consumo de álcool e de drogas está crescendo em áreas indígenas, principalmente nos municípios de Santa Izabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga que fazem fronteiras com a Colômbia e Peru.

Muitos indígenas também estariam sendo usados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs) para o transporte das drogas.

A denúncia é do presidente da Comissão de Assuntos Indígenas da Assembléia Legislativa do Amazonas, deputado José Lôbo (PCdoB). Lôbo segue nos próximos dias para aquela região a fim de fazer um levantamento da situação.

O deputado pretende ouvir todas as entidades envolvidas na área da segurança, da justiça, os prefeitos atuais e os eleitos no dia 5 de outubro para se delinear um quadro geral do problema e buscar as providências cabíveis, a partir da Assembléia Legislativa.

Os índios da região tríplice fronteira cheiram cocaína, gasolina, cola de sapateiro, fumam maconha e meninos e meninas têm sido vítimas de abuso sexual (estupro, incesto, pedofilia). Ocorre também nas aldeias da área um elevado índice de suicídios, gravidez precoce e indesejada, aborto e agressão doméstica. Os dados estão no relatório final do seminário "O futuro da Amazônia", ocorrido em Tabatinga (AM), em janeiro deste ano.

Conforme o documento é prática comum o turismo sexual (o pornoturismo) e a relação de adultos, inclusive não-índios com índias menores de idade. Para o cacique Luís Cordeiro, da comunidade Kocama Sapotal, esse estado de coisa acontece nas aldeias por falta de uma ação da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do governo federal em favor dos índios.

Cordeiro diz que os índios querem mais segurança, transporte, além de apoio para explorar a rica biodiversidade da região de forma sustentável. "Mas com esses problemas não dá mesmo", reconhece ele.

Investigação urgente

Para o deputado José Lobo, a investigação nas aldeias indígenas da fronteiras se faz necessária, e é urgente, porque os jornais locais têm noticiado com freqüência o aumento do índice de índios - crianças, jovens e adultos - envolvidos em casos de prostituição, com bebidas alcoólicas e drogas, havendo até a ocorrência de suicídios entre eles.

Segundo Lôbo, não há políticas de proteção aos povos do Alto Rio Solimões, com programas de desenvolvimento sustentável na região. E a área é de alto risco pela presença do narcotráfico e da guerrilha na fronteira. É preciso que os governos levem as aldeias ações publicas de educação e saúde integradas a cultura dos indígenas, paralelamente ao trabalho de conscientização feito pelas organizações sociais.

Além disso, os jovens acabam ficando vulneráveis ao narcotráfico e muitos deles são usados para o transporte de drogas (cocaína) em Tabatinga. Os indígenas também estariam sendo usados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs) para o transporte das drogas.

No município de São Gabriel da Cachoeira, por exemplo, existe também a prostituição infanto-juvenil. "Portanto, que faz-se necessária a intervenção do Poder Legislativo, a fim de que seja dado um basta nesta situação", disse José Lobo.
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source

Related news