Noticias

Indigenas discutem implantação do território Etnoeducacional YBY YARA

19/07/2010

Fonte: Jornal Feira Hoje - http://www.jornalfeirahoje.com.br



Representantes das comunidades indígenas do estado participam, nesta segunda-feira (19), das 8h30 às 18h, no Pituba Plaza Hotel, em Salvador, de encontro para discutir a implantação do território etnoeducacional, que organizará a educação escolar indígena na Bahia. A iniciativa, promovida pela Secretaria Estadual da Educação, o Ministério da Educação (MEC) e a Fundação Nacional do Índio (Funai), é esperada pelos índios desde a publicação do Decreto Federal n 6.861, de 27 de maio de 2009, que estabelece a divisão do Brasil em territórios etnoeducacionais.

Batizado de Yby Yara (Dono da Terra), o território está sendo construído em conjunto com os povos indígenas, por meio de comissões, instituições e organizações que defendem os seus interesses. Segundo o superintendente de Desenvolvimento da Educação Básica da secretaria, Nildon Pitombo, "a política que sustenta a implantação dos territórios etnoeducacionais enfatiza as responsabilidades dos estados e dos municípios para garantir aos povos indígenas uma educação escolar de qualidade e que respeite as suas raízes culturais. O fortalecimento da língua materna de cada povo é uma prioridade".

A coordenadora de Educação Indígena do órgão, Rosilene Araújo, explica que a organização da educação escolar indígena vigente no país não responde, satisfatoriamente, às especificidades políticas, sociais e econômicas vividas pelos índios e que os territórios etnoeducacionais foram pensados como a alternativa mais próxima de um sistema próprio de educação escolar, reivindicado pelos povos indígenas de todo o Brasil.

Ela afirma que, a princípio, o plano de ação do território traz como prioridade o cumprimento dos seguintes objetivos: construção de escolas, formação e contratação de professores, produção de material didático, ensino médio integrado à educação profissional e alimentação escolar.
Rosilene ratifica o regime de colaboração entre o MEC, o estado, os municípios e as universidades como o maior benefício desta nova política. "É o território que vai apontar como as coisas devem funcionar e quem pode executar o quê. Ele tem autonomia e flexibilidade para desenvolver e organizar as ações".

Territórios

A definição de outros territórios ainda está sendo discutida pelos povos indígenas do Brasil. Para construir esses espaços simbólicos, eles estão levando em consideração relações culturais, linguísticas, políticas e econômicas. Até se chegar a um consenso sobre a instituição do território etnoeducacional Yby Yara/Bahia, várias questões foram debatidas.

A extensão territorial do estado e a quantidade de povos existente foram determinantes para que os índios baianos fossem integrados a um único território etnicoeducacional.


Estima-se, segundo dados da Fundação Nacional de Saúde, que aproximadamente 28 mil pessoas com descendência indígena vivem na Bahia. Esta população pertence a, pelo menos, 14 etnias diferentes - Pataxó, Pataxó hã hã hãe, Tupinambá, Tuxá, Tumbalalá, Xucuru Kariri, Kantaruré, Pankararé, Kiriri, Kaimbé, Pankaru, Truká, Atikum e Payayá.

http://www.jornalfeirahoje.com.br/materia/20385/iindigenas-discutem-implantacao-do-territorio-etnoeducacional-yby-yara
 

Las noticias publicadas en el sitio Povos Indígenas do Brasil (Pueblos Indígenas del Brasil) son investigadas en forma diaria a partir de fuentes diferentes y transcriptas tal cual se presentan en su canal de origen. El Instituto Socioambiental no se responsabiliza por las opiniones o errores publicados en esos textos. En el caso en el que Usted encuentre alguna inconsistencia en las noticias, por favor, póngase en contacto en forma directa con la fuente mencionada.

Noticisa relacionadas