News

Lugares sagrados dos índios no Mato Grosso podem ser declarados patrimônio histórico

22/06/2010

Fonte: O Globo - http://oglobo.globo.com/



CUIABÁ - Lugares sagrados para comunidades indígenas do Alto Xingu, em Mato Grosso, poderão ser considerados patrimônio histórico do país. A proposta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) é que sejam tombados dois lugares sagrados - Sagihengu e Kamukuwaká - onde se realiza o ritual do Quarup, um ritual de homenagem aos mortos ilustres celebrado na região do Xingu por nove etnias. Os dois lugares ficaram fora da demarcação do Parque Indígena e sofrem com desmatamento e erosão.

O Conselho Consultivo do Patrimônio Histórico vai analisar a proposta do Iphan na quinta-feira, no Rio de Janeiro. O pedido ao Iphan para tombamento dos lugares sagrados foi apresentado em 2008 pelas etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá. A intenção era garantir a conservação e o direito de acesso às comunidades indígenas ao local, além de preservar a cultura nos seus aspectos espirituais e religiosos.

Os técnicos do Iphan que trabalharam no inventário e na elaboração do dossiê de tombamento confirmam os riscos para Sagihengu e Kamukuwaká. De acordo com o documento, é necessário garantir a preservação desses espaços que vêm sofrendo com desmatamento, erosão, pesca predatória, manejo inadequado e atividades agropecuárias. Com a redução dos limites originais do Parque, inferiores ao território histórico de ocupação indígena, as nascentes do rio Xingu foram ocupadas por pólos agropecuários. Hoje, o Parque possui aproximadamente 30 mil km² e abriga 14 povos indígenas, espacialmente divididos entre povos do alto, do médio e do baixo Xingu.

Ao longo do trabalho de pesquisa desenvolvido durante quatro anos, o Iphan realizou registros textuais, fotográficos e videográficos para obter uma documentação capaz de refletir o patrimônio estudado, que abrange bens de natureza material e imaterial.

Embora os indígenas do Alto Xingu sejam de etnias diversas, eles formam uma unidade cultural maior, compartilhando mitos, ritos, cerimônias, um sistema de trocas de bens materiais e especialidades artesanais mas, sobretudo, um sentimento comum de identidade e cultural. O Quarup é um deles. Trata-se de uma cerimônia com duração de alguns dias, de homenagem a chefes e lideranças mortos. Os indígenas choram, cantam, rendem homenagens, dançam, tocam seus instrumentos e lutam.

O rito anual estabelece o fim do luto e da tristeza, ao mesmo tempo em que restaura a alegria, a vida, sendo o início de um novo ciclo vital. Acontece sempre no final da estação seca, durante o mês de agosto e, às vezes, em setembro. Ocorre normalmente em uma das aldeias que tiver perdido um parente importante, cuja família consente e promova, então, a cerimônia, tornando-se a "dona" da festa. O dono tem que alimentar os seus convidados. Isto significa que ele deve fazer uma reserva de alimentos para servir a todos os convidados no dia da festa sob pena de sentirem-se ofendidos ou ser mal interpretado como pessoa mesquinha.

Neste ritual, Sagihengu é o lugar onde começa a cerimônia e onde as comunidades indígenas afirmar ter ocorrido o primeiro Quarup. A cerimônia neste local homenageia a vida, apesar de ser uma cerimônia funerária. O outro local sagrado é o abrigo rochoso Kamukuwaká, que fica fora do Parque e tornou-se propriedade particular apesar da sua importância para a comunidade xinguana.

http://oglobo.globo.com/cidades/mat/2010/06/22/lugares-sagrados-dos-indios-no-mato-grosso-podem-ser-declarados-patrimonio-historico-916947811.asp
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source